• DICTUM
    a_v

  • A vã esperança engana o homem.
  • A vã glória floresce e não dá fruto.
  • A vaca do pobre, quando há-de parir, morre.
  • A vaca foi para o (o. pro) brejo.
  • A vaca preta dá leite branco.
  • A vaca que não come com os bois, ou comeu antes, ou comerá depois.
  • A vaca, bem cozida e mal assada.
  • A vacant mind is open to all suggestions, as a hollow mountain returns all sounds.
  • A vacation frequently means that the family goes away for a rest, accompanied by mother, who sees that the others get it.
  • A vache donnée, on ne regarde pas aux cornes.
  • A vache grasse, maître maigre et bourse plate.
  • A vache grasse, veau molosse.
  • A vacuum is a hell of a lot better than some of the stuff that nature replaces it with.
  • A vagabond monk never spoke well of his convent.
    it] Monaco vagabondo non disse mai lode del suo monastero.
  • A Vaiano si dice: non nevica bene se dalla Corsica non viene.
  • A vaidade constitui uma parte muito importante da felicidade da espécie humana.
  • A vaidade convive com o amor-próprio e o acompanha freqüentemente.
  • A vaidade de muita ciência é prova de pouco saber.
  • A vaidade de uns alimenta a muitos outros.
  • A vaidade do enfeite é uma verdadeira maldição.
  • A vaidade do rico é o recurso do pobre.
  • A vaidade é a bem-aventurança dos néscios, dos tolos, e semi-doutos.
  • A vaidade é o começo da destruição.
  • A vaidade é o espelho dos tolos.
  • A vaidade é talvez um grande condimento da felicidade humana.
  • A vaidade é tão frívola e fútil que motiva mais riso que compaixão.
  • A vaidade é um elemento muito importante da humana felicidade.
  • A vaidade força-nos a fazer mais coisas contra nossa vontade do que a razão.
  • A vaillant homme courte épée.
  • A vain man may become proud and imagine himself pleasing to all when he is in reality a universal nuisance.
  • A vaincre sans péril, on triomphe sans gloire.
    en] Triumph without peril brings no glory.
  • A valentia com os fracos, só cobardia revela.
  • A valiant and brave soldier seeks rather to preserve one citizen than to destroy a thousand enemies.
  • A valiant mans look is more then a cowards sword.
  • A vantagem de quem sabe, está na ignorância de quem não sabe.
  • A vantagem é sempre de quem sorri.
  • A variedade deleita.
  • A variedade deleita: nem sempre galinha, nem sempre rainha.
  • A variedade do procedimento e dos atos dos homens e dos povos é tal que não há quem os possa compreender e historiar.
  • A variedade é fonte que mata a sede.
  • A vase was begun; why from the revolving wheel does it turn out a worthless pitcher?
  • A vaunter and a liar are near akin.
  • A vaunter and a lyar is both one thing.
  • A vecchio conto, novella taglia.
  • A veces es peor el remedio que la enfermedad.
  • A veces una gallina ciega encuentra su grano.
  • A veces, incluso el vivir es un acto de valor.
    Seneca
  • A vegades una gallina cega troba un gra.
  • A vein of poetry exists in the hearts of all men.
  • A veine toullée croit comme enragée.
  • A velha com a cana muito anda.
  • A velha e a cortiça curadas se querem.
  • A velha galinha faz gorda a cozinha.
  • A velhacaria requinta na velhice, tanto quanto é peca na mocidade.
  • A velhaco, velhaco e meio.
  • A velhice anula muitas relações dos homens entre si e com o mundo exterior; a morte finalmente todas.
  • A velhice começa surgindo de dentro da vaidade.
  • A velhice descobre os erros da mocidade.
  • A velhice é a idade dos desenganos, como a mocidade a das ilusões.
  • A velhice é austera porque sofre, a mocidade amena e indulgente, porque goza.
  • A velhice é mal desejada.
  • A velhice é o purgatório da vida pelos males que a invadem, e privações a que obrigam.
  • A velhice é prêmio para uns e castigo para outros.
  • A velhice é segunda meninice.
  • A velhice é sempre respeitável; anuncia uma longa e vitoriosa campanha da vida contra os males inumeráveis que a destroem.
  • A velhice é talvez menos penosa pelos males que sofremos do que por aqueles que receamos.
  • A velhice é tão suscetível de afeções penosas que aqueles mesmos atos e exercícios, que recreiam os moços, incomodam e fazem enfermar os velhos.
  • A velhice é um mal incurável de que só a morte nos pode libertar.
  • A velhice é um pesado fardo (o. ônus).
  • A velhice é uma decadência progressiva cujo limite é a morte.
  • A velhice é uma eterna doença.
  • A velhice é uma segunda meninice.
  • A velhice faz o homem prudente.
  • A velhice ganha ordinariamente em intelectualismo o que perde em sensualismo.
  • A velhice ilustrada é incomparavelmente mais feliz que a mocidade iliterata.
  • A velhice imprime mais rugas no espírito que no rosto.
  • A velhice mesma é uma doença.
  • A velhice não está nos anos.
  • A velhice não presta, mas todos a querem.
  • A velhice não tem cura.
  • A velhice não tem graça; quando muito, tem juízo ou prudência.
  • A velhice nos homens é respeitável, nas mulheres desagradável.
  • A velhice nunca vem só.
  • A velhice prolongada é morte lenta e demorada.
  • A velhice quer descanso, a morte lho assegura (o. dá perene .
  • A velhice reflexiva é um grande almazém de desenganos.
  • A velhice, quando não melhora, deteriora os homens.
  • A velhice, que enruga o rosto, também faz murchar o entendimento.
  • A velho recém-casado, rezar-lhe por finado.
  • A velocidade que emociona é a mesma que mata.
  • A Venetia, chi vi nasce, mal vi si pasce.
  • A Venezia chi vi nasce mal si pasce, chi ci viene ci sta bene.
  • A venir in giù, ogni cosa ajuta.
  • A vent'anni la vergine domanda: 'Com'è?' A trenta: 'Che è?' A quaranta: 'Dov'è?'
  • A ventidue viene la Madalena.
  • A ventre farto o mel amarga.
  • A ventre pieno ogni cibo sembra amaro.
  • A ventre pieno, ogni cibo è amaro.
  • À ventre soûl, cerises amères.
  • A ventura do homem imoral se assemelha a uma bela madrugada, que dá princípio a um dia proceloso e desabrido.
  • <<< list home >>>